sindrome-do-panico

Se você é uma pessoa cheia de dúvidas, indecisões ou demora para tomar uma atitude, sob o pretexto de que é apenas cauteloso, saiba que seu coração está cheio de ”medos”.

Já imaginou quantos medos podemos ter durante o dia?

Você pode dizer que não se trata de medo, mas de receio, para parecer mais leve, mas que não deixa de ser uma forma de medo.

Determinadas pessoas querem sempre mostrar que não têm medo de nada e, mesmo que alguma coisa as aflija, ”engolem” aquele mal com um ”pouquinho” de tempero: dizem que podem resolver tudo. Seu orgulho é tão grande que têm medo de dizer que estão com ”medo” de resolver sozinhas tal situação.

Admitir o medo não significa incapacidade para solucionar determinados problemas. O ser humano, por ter perdido a chave do conhecimento, ficou sem o apoio necessário à vida, uma vez que desconhece o poder criador do pensamento. Assim, o medo toma conta da situação, às vezes de uma forma camuflada.

Exemplos: medo de decidir e errar; medo de falar e magoar, ou de ser mal interpretado; medo de se ”machucar” descobrindo aquilo que tanto se temia; medo do tempo que não espera para você pagar suas contas; medo de altura; medo de ladrão, medo de ser sequestrado; medo de doenças que, dizem, não tem cura; medo de ficar só; medo de perder o que tem; medo de não conseguir emprego; medo da velhice e, até, medo… de ter medo!

Será que você tem qualquer desses medos? « Saiba que o medo existe como forma de defesa e instinto de sobrevivência no mundo racional. A razão fecha todas as portas e janelas e se tranca em pensamentos curtos para não ter que dar ”de cara” com o medo pelo corredor.

Equilibre-se! Peça à sua razão que abra as janelas e cumprimente as suas emoções. Elas podem ser amigas, pois as emoções carinhosas conhecem os caminhos que a razão jamais ousou pisar.

Emoções leves têm contato direto com o inconsciente positivo, que é o mensageiro da natureza perfeita. Ela conhece a melhor solução pois tem ”olhos” do tamanho do Universo.

MEDO2

Confie na vida. Relaxe e entregue-se um pouco à certeza das coisas boas. Tire o peso dos ombros. Você não é obrigado a assumir as responsabilidades dos outros. Deixe que eles carreguem o que  é deles, para que possam aprender a viver e dar valor ao seu próprio suor.

Deixe de ser ”egoísta” e querer todos os problemas só para você.
Isso é muito feio! Olhe-se no espelho. Você não parece o próprio latão de lixo? Pare de guardar tantos problemas ”sem solução”, porque eles  podem ”apodrecer” dentro de você e se transformar em doenças que cheiram mal!

Seja despretensioso e saiba que o mundo não vai desabar sobre sua cabeça se você soltar os problemas. Pense bem: será que você teme soltá-los porque tem medo de perder alguém? Ou você teme perder o seu prestígio, os negócios, os amigos, os amores?

Quem gosta de você realmente, gosta pelo que você é, pelo que você faz, ou pelo que você tem? Descubra o verdadeiro sentimento que as pessoas têm por você. Na verdade, nem elas saberiam como agiriam caso você parasse de garantir o que é delas, sejam serviços, favores, promessas, dívidas ou até chantagens.

Olhe para si mesmo e veja se essa é a vida que você gosta de levar. Se não for, não espere vir uma doença para se livrar de tudo… sem remorsos. Tenha coragem de resolver todas as questões de maneira  intuitiva, com calma e confiança. Quando uma pessoa reage com fé e
determinação, automaticamente as portas se abrem e a saída aparece.

MEDO

Mexa-se!

O ser humano é valorizado pela sua coragem e não pelas pequenas tarefas que desempenha no dia-a-dia, as quais não exigem esforços para o autodesenvolvimento espiritual. Os pequenos desafios sim, é que acrescentam força ao nosso espírito. Portanto, não fuja das barreiras. Saiba transpô-las com sabedoria — que é sinônimo de coragem.

Medo e ira – Inimigos do nosso organismo

(Texto compreendido em A Verdade da Vida, vol. 29, de Masaharu  Taniguchi)

”Ao sentirmos medo, ou ficarmos irados, a secreção de adrenalina em nosso organismo torna-se muito elevada no sangue, provocando arrepios, lacrimejamento, suor frio, tremores, etc.

”Ao ocorrer o aumento dessa secreção aparece, no sangue e na urina, maior quantidade de glicose. Quando o excesso de adrenalina chega à musculatura do estômago, este diminui a capacidade de contração porque perde o tono muscular, resultando em atonia gástrica, gastroptose, etc.

”Portanto saiba que ansiedade, preocupações, medos e todo tipo de ressentimentos provocam excesso de secreção de adrenalina que implica o afrouxamento dos músculos do estômago reduzindo-lhe a capacidade de contração.

”Dessa forma, com o estômago inativo, o excesso de sangue precisará ser enviado às outras partes do corpo, que causará certas alterações. Exemplo: na cabeça, deixará a pessoa bastante agressiva; no coração aumentará os batimentos cardíacos e no fígado fará com que este devolva o excesso de glicose para o sangue, aumentando o nível de açúcar na corrente sangüínea. Isto fará aumentar o ’combustível’ que ativará os músculos, deixando-os tensos e prontos para reagir. Assim, nos momentos de nervosismo, o excesso de adrenalina fará o organismo concentrar todas as energias para reagir contra o agressor.

”Quando uma pessoa que acumula essa adrenalina, que deveria ter sido queimada de alguma forma, se depara com certas situações, ela reage violentamente contra. Desta forma, cria-se um círculo vicioso e será quase impossível eliminar o acúmulo dessa secreção.

”Portanto, quanto mais tensa a pessoa ficar, mais adrenalina no sangue ela acumulará e o seu organismo sentirá a necessidade de expelir, de alguma forma, esse excesso que, acumulado, provocará o diabetes.”

Mude sua atitude mental e solucione os conflitos íntimos que causam tantos transtornos.

Para que temer a vida e as pessoas, se elas são apenas reflexo daquilo que você acredita?

Se gostou do Artigo, peço que curta, compartilhe com os amigos e se inscreva no canal, pois sempre estarei postando coisas sobre Saúde e bem estar.

 

Assista a este vídeo sobre alimentação saudável e saúde:

 

ATENÇÃO!

Este artigo não substitui em nenhuma hipótese a consulta e orientação Médica e Terapêutica especializada.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *