tabagismo

A principal causa do tabagismo é o medo ou negação da vida. O fumante encontra, na sutileza da fumaça expelida pelo cigarro, uma leve sugestão de proteção. É como se houvesse um escudo separando a pessoa dos episódios desagradáveis e de certas presenças ameaçadoras. A fumaça do cigarro suavemente distorce a forte expressão fisionômica dos outros.
O fumo é responsável pelo aumento da suscetibilidade a qualquer doença infecciosa das paredes pulmonares. Na concepção metafísica, os processos infecciosos estão relacionados as interferências externas no mundo interno.

Assim sendo, o fumante sente-se indefeso e, por isso, se abala facilmente com os episódios desagradáveis da vida. Ele não consegue manter a sua integridade emocional, consequentemente torna-se vulnerável às afecções pulmonares, em especial o enfisema.


O vício de fumar não é mantido apenas pela dependência orgânica da nicotina mas principalmente pela condição interna de negação e medo da vida. Uma vez resolvidos esses fatores emocionais que mantem a pessoa dependente do cigarro, será fácil para ela parar de fumar.


A maioria dos fumantes apresenta fragilidade interior. O vício não é um aspecto causal mas sim, o efeito de uma condição interna abalada. Por isso, mais importante do que combatê-lo é trabalhar as causas. Fortalecer o indivíduo, desenvolver a segurança, prepará-lo para os desafios da vida.

Desse modo estaremos dando condições para que a pessoa se encoraje para viver, abra-se para a realidade e sinta-se disposta a encarar verdades sem distorcer os fatos. Essa atitude é tanto saudável para os pulmões quanto para preparar o indivíduo a não depender do cigarro para viver.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *