epilepsia
 
Fonte: Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)
Conceito:
 
Condição caracterizada por espasmos repetitivos, não provocada por nenhuma causa identificada. Crises múltiplas ocorridas em um período de 24 horas são consideradas crise única.
 
As epilepsias afetam muitas pessoas no mundo. Os epiléticos constituem um grupo heterogêneo de doenças e síndromes entre os quais um grupo importante apresenta o sintoma de lesão cerebral, um segundo grupo as causas genéticas são dados importante na patogenia e um terceiro grupo as causas ainda não foram determinadas.
 
As crises epilépticas constituem as manifestações clínicas resultantes de uma descarga anormal e excessiva de neuromas no cérebro. As manifestações clínicas consistem em fenômenos anormais súbitos e transitórios que podem incluir alterações da consciência, motoras, sensoriais, autonômicas ou eventos psíquicos, percebidos pelo paciente ou por um observador.
 
Existem uma grande variedade de crises epilépticas, variando de paciente para paciente a constância e forma dos ataques.
epilepsia2
 
Atualmente classifica-se as crises epiléticas em dois grandes tipos:
 
– Parcial –
 
 
Parcial Simples- quando determinam sintomas elementares e a consciência não é prejudicada e o paciente percebe sensações anormais no corpo, tais como: movimentos súbitos de uma parte do corpo, distorção na visão e audição, mal estar, medo.

Parcial Complexas- caracteriza-se por uma ação motora mais complexa e existe a perda da consciência. No decorrer da crise o paciente fica entorpecido e confuso, apresentando comportamentos automáticos tais como: caminhar desorientado, murmurar, rodar a cabeça, sentar e levantar, mexer nas roupas esticando-as, olhar fixo etc. Neste caso o paciente não lembra desses atos praticados por ele mesmo.
 
 
– Generalizada –
 
 
Generalizada de ausência- caracteriza-se por lapsos de perda de consciência por alguns segundos. O paciente parece estar desligado do mundo, os olhos podem apresentar movimentos circulares, bem como outros sintomas psicomotores automáticos. Após esta crise a atividade pode ser retomada imediatamente sendo algumas vezes até ignorada pelo paciente. Normalmente estas crises ocorrem em crianças e sua tendência é desaparecer na adolescência, no entanto o paciente poderá desenvolver outros tipos de crises em sua fase adulta.
Tônico-clônica- compreende-se duas fases: na fase tônica há perda de consciência, o paciente cai, o corpo se contrai e enrijece. Já na fase clônica o paciente contrai e contorce as extremidades do corpo perdendo a consciência que após a crise é recobrada gradativamente.
 
A diferença entre as crises parciais e generalizadas é o tipo de descarga elétrica excessiva no cérebro. Quando a descarga elétrica está limitada só a uma área cerebral, diz-se que a crise é parcial, se está em todo o cérebro, é generalizada.
 
 
Ao todo há em torno de 30 tipos diferentes tipos de crises epilépticas.
 
 
Diagnóstico:
 
Exames como eletroencefalograma e neuroimagem são instrumentos que ajudam no diagnóstico, mas, o histórico clínico do paciente é muito importante, já que exames normais não excluem a possibilidade da pessoa ser epiléptica. Se o paciente não se lembra das crises, a pessoa a presenciou torna-se uma testemunha útil na investigação do tipo de epilepsia em questão e, conseqüentemente, na busca do tratamento apropriado.
 
Bibliografias:
 
FEJERMAN & MEDINA. Convulsiones en la Infancia , 2ª Edição, Editorial El Ateneo – Buenos Aires – Argentina
CASTRO,P; Sacristian,M.; Sanabra,F.R. – Síndromes Epilépticos, Libreria Médico Espanha, Madrid, 1960.
COELHO,L.M. – Epilepsia e Personalidade, Atica, S.Paulo, 1978.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *